GABIGOL ESTÁ A 10 JORNADAS DE SER O 'GABI MARAVILHA'

GABIGOL ESTÁ A 10 JORNADAS DE SER O 'GABI MARAVILHA'

30 de Outubro de 2019

Numa equipa com tantos destaques como o Flamengo, da baliza, onde Diego Alves se revela um pilar de segurança de onde Bruno Henrique começa os jogos a infernizar as defesas adversárias, passando pela concentração de Rodrigo Caio e Pablo Marí, pela experiência de Rafinha e Filipe Luís, pelo dinamismo de Arão e Gerson e pela imprevisibilidade de Everton Ribeiro e de De Arrascaeta, é difícil escolher um indivíduo no meio do coletivo.

Mas, a escolhê-lo, esse indivíduo terá de ser Gabriel Barbosa, o Gabigol. Com 35 golos em 48 jogos, o atacante que passou quase anónimo pelo Estádio da Luz (e pelo Giuseppe Meazza, ao serviço do Inter, ainda dono do seu passe) reencontrou-se com a forma que o levou à seleção e o tornou numa das maiores promessas do futebol brasileiro desde 2013, quando, ainda pelo Santos, se estreou ao substituir Neymar (ver caixa), na última partida do craque do PSG pelo peixe, num jogo frente – imagine-se – ao Fla, em Brasília.

Vai em 35 golos em 48 jogos em 2019, contando estadual, Copa do Brasil, Taça dos Libertadores e Brasileirão. Nestes dois últimos, lidera a lista de goleadores e, caso leve essa liderança até ao fim, repete o feito de Coutinho, maior parceiro de Pelé no Santos, e de Zico, maior ídolo da história rubro-negra, os únicos a somarem as bolas de prata das duas provas no mesmo ano. Se somar mais três aos 19 golos que leva no Brasileirão, entretanto, supera o Galinho, que marcou 21 vezes em 1980, maior registo de um flamenguista no torneio.

E, finalmente, se for o melhor marcador do Brasileirão – para já está com avanço confortável de sete golos sobre o colega Bruno Henrique – torna-se apenas o quarto a conseguir esse feito em edições consecutivas. Antes, foram Bita, do Náutico, em 1965 e 1966, Dadá, do Atlético Mineiro, em 1971 e 1972, e Túlio, do Botafogo, em 1994 e 1995. E, como estes dois últimos entraram no folclore do futebol brasileiro com a alcunha Maravilha à frente do seu nome, nada mais justo do que passar a tratar Gabigol por Gabi Maravilha, a partir de agora.